Rubinho Campeão StockRubens Barrichello terminou a corrida de Curitiba da Stock Car na terceira posição, neste domingo (30), e se consagrou campeão da temporada 2014 da principal categoria de carros de turismo do Brasil. A prova foi vencida por Daniel Serra.

Barrichello terminou o campeonato com 234 pontos, contra 223,5 de Átila Abreu, vice-campeão.

O último título conquistado por Rubinho havia sido em 1991, quando superou David Coulthard e Gil de Ferran para ser campeão da Fórmula 3 Inglesa, um dos principais campeonatos de base do automobilismo.

Rubinho começou a corrida competindo com outros sete concorrentes ao título – Átila Abreu, Thiago Camilo, Júlio Campos, Antonio Pizzonia, Sérgio Jimenez, Cacá Bueno e Allam Khodair -, precisando apenas de um quarto lugar para levar o título.

Saindo da pole, Barrichello defendeu a posição na largada, ameaçada por Daniel Serra, mas acabou saindo da pista nas primeiras voltas em uma curva que também vitimou outros pilotos – entre eles Thiago Camilo, um dos postulantes ao título, que precisou abandonar a prova. Nessa altura, Sérgio Jimenez e Júlio Campos, outros que estavam na briga, também tiveram problemas e ficaram em situação difícil.

Em quarto lugar na prova, Barrichello passou a focar em Átila Abreu, que estava em segundo e era o mais próximo adversário do piloto pela taça. Serra liderava e Khodair, com chances remotas de título, estava em terceiro.

Faltando cerca de 16 minutos (de 40 previstos) para o fim da prova, Barrichello foi para o boxe trocar os pneus, e Átila seguiu na pista. Algumas voltas depois, ele também seguiu para o boxe e voltou brigando pela ponta com Serra, com Rubinho em terceiro.

Serra confirmou a vitória, com Átila em segundo e Rubinho garantindo o título com o terceiro lugar.

Festa
Logo depois da corrida, Barrichello foi saudado nos boxes com os gritos “Rubinho, Rubinho” e agradeceu a sua equipe, a Full Time. “Me deram um carro sensacional para lutar pelos pontos. Eles conseguiram melhorar um carro que não começou bem o ano. Só tenho a agradecer. Estou lisonjeado, com a minha família ao lado”, disse o piloto ao Sportv.

Ele também falou sobre a saída de pista que quase complicou sua missão. “Foi um susto, tinha uma casca de banana ali”, brincou. “Eu quase rodei, mas graças a Deus deu para segurar.”

Depois do pódio, ele foi levantado por integrantes da equipe, agradeceu à torcida e até fez a ‘sambadinha’, comemoração que marcou seus pódios na época de Fórmula 1.

Trajetória
Depois de ganhar a F3 Inglesa em 1991, Rubinho seguiu para a Fórmula 3000 no ano seguinte, terminando em terceiro no campeonato que teve o italiano Luca Badoer como campeão.

Em 1993, Rubinho começou sua longa trajetória na Fórmula 1, que durou 19 temporadas. Ele correu por Jordan, Stewart, Ferrari, Honda, Brawn e Williams, onde encerrou a carreira no fim de 2011, com 11 vitórias e dois vice-campeonatos – em 2002 e 2004, pela Ferrari – como melhor resultado.

Sua primeira vitória na categoria demorou para acontecer – apenas em 2000, na sua oitava temporada – e ocorreu de forma dramática. Com problemas, ele largou em 18º no GP da Alemanha, mas se aproveitou da chuva e da corrida repleta de contratempos para vencer pela primeira vez, com a Ferrari.

Depois de deixar a F1, ele seguiu em 2012 para a Fórmula Indy, onde não obteve sucesso. Rubinho chegou à Stock Car no ano passado, quando terminou o campeonato na oitava posição, com um pódio e uma pole position como destaques.

No campeonato de 2014, Barrichello deslanchou a partir da quinta corrida; depois disso, deixou de pontuar em apenas uma prova. Sua primeira vitória ocorreu na Corrida do Milhão, em Goiânia, que lhe rendeu o prêmio de R$ 1 milhão. Ele também venceu a prova seguinte, a nona do ano, em Cascavel, e se aproximou da liderança do campeonato, até então ocupada por Átila Abreu.

Regular, Rubinho seguiu pontuando entre os primeiros e assumiu a ponta depois da primeira corrida em Tarumã, a 17ª do ano (de 21), no início de novembro.

Confira como acabou a corrida:
1. Daniel Serra (Red Bull Racing) – 29 voltas em 41min28s103
2. Átila Abreu (Mobil Super Racing) – a 0.482
3. Rubens Barrichello (Full Time Competições) – a 1.782
4. Cacá Bueno (Red Bull Racing) – a 4.344
5. Allam Khodair (Full Time Competições) – a 8.045
6. Nonô Figueiredo (Mobil Super Racing) – a 20.903
7. Felipe Lapenna (Hot Car Competições) – a 20.961
8. Rafael Suzuki (ProGP) – a 28.465
9. Fabio Fogaça (Schin Racing Team) – a 32.258
10. Tuka Rocha (RZ Motorsport) – a 32.808
11. Popó Bueno (Shell Racing) – a 33.068
12. Diego Nunes (C2 Team) – a 33.095
13. Sergio Jimenez (Voxx Racing Team) – a 40.052
14. Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) – a 40.991
15 Galid Osman (Ipiranga-RCM) – a 44.255
16 Felipe Tozzo (Boettger Competições) – a 47.846
17 Alceu Feldmann (Hanier Racing) 1 Lp.
18 Luciano Burti (Vogel Motorsport) 1 Lp.
19 Valdeno Brito (Shell Racing) 1 Lp.
20 Denis Navarro (Voxx Racing Team) 1 Lp.
21 Max Wilson (Eurofarma RC) 1 Lp.
22 Beto Cavaleiro (Hanier Racing) 1 Lp.
23 Antonio Pizzonia (Prati-Mico’s Racing) 6 Lp.
24 Julio Campos (Prati-Mico’s Racing) 8 Lp.
25 Bia Figueiredo (ProGP) 14 Lp.
26 Gabriel Casagrande (C2 Team) 17 Lp.
27 Lucas Foresti (RC3 Bassani) 25 Lp.
28 Thiago Camilo (Ipiranga-RCM) 28 Lp.
29 Ricardo Zonta (RZ Motorsport) 28 Lp.
30 Marcos Gomes (Schin Racing Team) 28 Lp.
31 Felipe Fraga (Vogel Motorsport) -
32 Raphael Matos (Hot Car Competições) -
33 Vitor Genz (Boettger Competições) -