Pezão defende penas mais duras para assassinos de policiais
 
 O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, defendeu hoje (26), durante evento na Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio (Faperj), penas mais rígidas para quem assassina policiais militares (PMs) no Rio de Janeiro. O comentário foi em repercussão à morte de dois policiais nesta semana, e na manhã de hoje mais dois PMs foram feridos e um homem morto em uma tentativa de assalto na Leopoldina, zona portuária do Rio.

Após os ataques que vitimaram o policial Ryan Procópio, encontrado morto dentro de seu carro na segunda-feira (24), e Anderson de Senna Freire, que morreu após ser baleado durante serviço na terça-feira (25), além de outros policiais feridos, o governador disse que se solidariza com as famílias dos PMs, e ressaltou que é necessário penas mais severas para quem assassina agentes da polícia.

“Eu sofro e lamento muito, me solidarizo com as famílias desses policiais. A gente tem prendido 80, 100 pessoas na praia e 40, 50 na [região da] Central [do Brasil]. Ela entra na porta [da delegacia] com o policial e sai pela outra [porta]. Tem gente que já prendemos oito vezes. Vamos discutir no Congresso Nacional o que queremos na segurança pública. Eu acho que precisamos de penas mais severas para quem mata PM”, disse Pezão.

O governador disse que está se reunindo com a Secretaria de Segurança para tomar providência quanto aos ataques, e a orientação é de que o reforço de policiais nas ruas continue. “Estou reunido com a área de segurança, todos os comandos e todas as delegacias tomando providências, com cautela, mas reforçando cada vez mais o policiamento. Vamos combater toda forma de violência, e nada vai nos fazer recuar no combate à criminalidade. Em época de eleição, o tráfico sempre tenta dar recado, mas nós vamos continuar firmes na nossa postura de colocar cada vez mais policiais nas ruas. A minha orientação é que a gente reforce o policiamento”, explicou.

Pezão também disse que a falta de contingente na corporação será suprida por concursos para aumentar o número de agentes. De acordo com o governador, foi feito um concurso recente para mais de 6 mil policiais, e nas próximas semanas se formam 1,6 mil. O número atual de integrantes da PM é 39 mil, e o objetivo do governador é chegar a 60 mil.