tn_À beira do abismo me cresceram asas (2)

Sexta e sábado, respectivamente 10 e 11 de outubro às 21h, o Theatro D. Pedro abre as portas para a apresentação de À beira do abismo me cresceram asas, com Maitê Proença e Clarisse Derzié Luz. O Theatro D. Pedro fica localizado à Praça dos Expedicionários, s/nº – Centro – Petrópolis/ RJ e a classificação etária do espetáculo é de 12 anos.

Após os espetáculos Achadas e Perdidas (2005) e As Meninas (2009), a comédia dramática é a última investida da atriz Maitê Proença como dramaturga. A partir de depoimentos colhidos por Fernando Duarte em asilos, Maitê se inspirou e construiu a trama de À beira do abismo me cresceram asas que aborda a história de duas octogenárias, vividas por Maitê e Clarisse Derzié Luz, que moram em uma casa para idosos.

Com um texto poético, repleto de emoção e bom humor, a montagem leva o público às gargalhadas com os diálogos entre Terezinha (Maitê Proença) e Valdina (Clarisse Derzié Luz). Sem as máscaras habituais da juventude, sem qualquer cerimônia, as personagens falam sobre qualquer assunto, desde sexo, diferenças entre homens e mulheres, abandono, o lado bom e o ruim de cada situação.

Embora detentoras de personalidades distintas, Terezinha no auge de 86 anos e Valdina, bem mais nova, com apenas 80 aninhos, têm em comum a praticidade dos que aprenderam a simplificar a vida, já que não há tempo para complicá-la. Valdina leva o dia a dia com otimismo, sem nostalgias, mas não se engane, ela carrega um grande segredo. Terezinha é de temperamento carrancudo, ainda que bem resolvido.

Maitê Proença, parafraseando a cantora francesa Edith Piaf, afirma com muita certeza: “Velhice não é para covardes”, e partir daí explica o motivo pelo qual resolveu se transformar numa senhorinha de 80 anos no espetáculo À beira do abismo me cresceram asas.

“Asas é para quem gosta de ser mexido por dentro. Velhas contêm todas as idades dentro de si. E é uma fase em que caem as máscaras, não se tem mais cerimônia para tratar as coisas, há autoridade. A meu ver, é tão interessante”, explica a dramaturga e atriz.

Proença ainda pontua que no espetáculo as personagens só têm uma à outra. “Essa amizade justifica e traz graça a ambas. O desafio é não fazer a caquética com uma voz de velhinha”. O texto tem como meta fazer refletir sobre o tempo, as emoções da vida, a solidariedade e a importância de compartilhar, em um misto de humor e delicadeza.

A peça À beira do abismo me cresceram asas, com dramaturgia, direção e interpretação de Maitê Proença, estreou no Rio de Janeiro e passou por São Luís (MA), Salvador (BA), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR). Também esteve em cartaz no Teatro FAAP e Itália, em São Paulo, por dois meses e meio em cada, sempre com enorme de público e crítica.

Entre o encerramento da temporada de São Paulo (SP) e a reestreia em solo carioca, o espetáculo pegou a estrada e aportou em quatro grandes cidades do país: Natal, Recife, Belo Horizonte e Brasília. Em Recife, Maitê também participou da Fliporto e no decorrer de 2014 passa por Cuiabá, Palmas, Manaus, Belém, Nordeste, Teresina, João Pessoa, Recife, Maceió, Aracajú, Salvador e Campo Grande.

Os ingressos para as apresentações do espetáculo em Petrópolis já estão à venda na bilheteria do Theatro D Pedro, Praça dos Expedicionários, s/nº, Centro – Petrópolis/ RJ. A inteira custa R$70,00 (setenta reais), a meia entrada sai por R$35,00 (trinta e cinco reais), destinada a estudantes, idosos, pessoas com deficiência e um acompanhante, jovens de 15 a 29 anos inscritos no CadÚnico, bem como para profissionais da rede pública e municipal de ensino do Município de Petrópolis.

SERVIÇO
A BEIRA DO ABISMO ME CRESCERAM ASAS
Sexta, 10 de outubro, às 21h.
Sábado, 11 de outubro, às 21h.
Theatro D. Pedro
Praça dos Expedicionários, s/nº
Centro – Petrópolis/ RJ
Classificação: 12 anos

Ingressos
Inteira: R$70,00 (setenta reais)
Meia entrada: R$35,00* (trinta e cinco reais)

Forma de pagamento: somente em dinheiro.
Ponto de venda: Bilheteria do Theatro D. Pedro.

* Lei Nº 12.933 – Idosos, estudantes, pessoas com deficiência e um acompanhante, jovens de 15 a 29 anos inscritos no CadÚnico.
* Lei Nº 7.185 – Profissionais da Rede Pública e Privada de ensino do Município de Petrópolis.

FICHA TÉCNICA
Autora: Maitê Proença
Ideia original: Fernando Duarte
Supervisão Direção: Amir Haddad
Direção: Clarice Niskier e Maitê Proença
Elenco: Maitê Proença e Clarisse Derzié Luz
Cenário: Cristina Novaes
Desenho de Luz: Jorginho de Carvalho
Figurinos: Beth Filipecki
Trilha Sonora: Alessandro Perssan
Direção de Movimento: Angel Vianna
Preparação Vocal: Rose Gonçalves
Assistentes de iluminação: Daniel Galván
Assistente de Figurino: Edy Galvão
Confecção de Figurinos: Atelier de Costura – Edy & Ga
Assistente de Cenografia: Dina Levy
Assistente de Movimento: Marina Magalhães
Fotografia: Renata Dillon (estúdio) e Paulo Kossatz (de cena)
Visagista: Cristiane Vicente
Maquiagem: Fabíola Gomez
Operador de Luz: Russinho
Operador de Som: Roberto Silva
Diretor de Cena: Lucia Martinusso
Camareira: Nájala Nascimento
Produção executiva e administração: Marcela Epprecht
Coordenação de Produção: Bianca de Felippes
Realização: M. Proença Produções Artísticas

Texto: Assessoria
Foto: Divulgação