tn_Dr Arnaldo Rippel (2)Pessoas idosas constituem um dos principais grupos de risco de desenvolver a forma grave da doença

 

Em meio a todas incertezas em torno da pandemia pelo novo Coronavírus, um fato é consenso entre os especialistas do mundo todo: a letalidade da Covid-19 é mais alta entre pessoas idosas. Até o início do mês de março, entre os casos confirmados na China, quase 15% dos pacientes com mais de 80 anos morreram. Na faixa daqueles com menos de 50 anos essa taxa fica bem abaixo de 1%.

 

Os cuidados devem ser redobrados ainda em idosos que possuem problemas de saúde como hipertensão, diabetes, doenças coronarianas e respiratórias. O Ministério da Saúde recomenda isolamento social completo para pessoas com mais de 60 anos. Prevenir é o melhor remédio para evitar que esse público adoeça gravemente, com risco de morte, mesmo que seu estado de saúde geral seja bom.

 

Realizar telefonemas ou chamadas de vídeo entre amigos e familiares e pensar em ocupar o tempo de alguma forma que a pessoa idosa possa gostar, são alternativas para evitar o sentimento de solidão e se fazer presente nesse momento de forma segura.

 

O médico cooperado há 32 anos pela Unimed Petrópolis, o ortopedista Arnaldo Rippel orienta sobre como é importante manter os cuidados de higiene recomendados pelos órgãos de saúde, principalmente entre essa faixa etária mais idosa.

 

“Temos muitos pacientes idosos aqui em nosso consultório. Pacientes que nós acompanhamos pelos mais de 30 anos em que sou cooperado, e eles precisam ter muitos cuidados. Nessa pandemia, todo cuidado é pouco com esse tipo de paciente. Precisamos usar a nossa máscara e nunca esquecer do álcool gel.” Diz o ortopedista Arnaldo Rippel.

 

Enquanto espera-se uma vacina capaz de imunizar contra o vírus, ficar em casa e manter o distanciamento social, além de seguir as medidas de higiene recomendadas tornaram-se as melhores maneiras de se proteger.

 

Arnaldo Rippel alerta ainda, sobre os cuidados que os jovens precisam ter para não correrem o risco de contaminarem seus entes queridos.

 

“Para os jovens, todo o cuidado com as aglomerações. Não adianta você achar que é imune, não adianta você achar que é super jovem, porque seus anticorpos são especiais. Vocês vão pegar a doença. Vocês têm esse risco de levar para casa e contaminar seus pais, seus avós, seus tios, seus padrinhos, as pessoas mais velhas. Então, previnam-se! Toda cautela é necessária. Muito cuidado! Tantos para os jovens, quanto para os idosos.” finaliza o ortopedista da Unimed Petrópolis.​​

 

Texto: Assessoria
Foto: Divulgação