tn_Operação camisa 10No balanço final da operação com foco na Copa do Mundo,
autarquia autua 321 estabelecimentos

Com o final da Copa do Mundo 2014, o Procon Estadual, ligado à Secretaria de Estado de Proteção e Defesa do Consumidor (Seprocon), concluiu também a sua Operação Camisa 10, focada em ações voltadas para o grande evento. Em mais de dois meses, os fiscais da autarquia realizaram 321 autuações e descartaram mais de 6 toneladas de produtos alimentícios e quase mil litros de chope impróprios para o consumo. Dez estabelecimentos foram total ou parcialmente interditados.

Os fiscais vistoriaram pontos turísticos (Cristo Redentor, Pão de Açúcar, Jardim Botânico, Parque Lage e Quinta da Boa Vista), restaurantes especializados em culinárias de países participantes da Copa, quiosques da orla, aeroportos, Rodoviária Novo Rio, estacionamentos, supermercados, regiões de concentração de torcidas, hotéis em que as seleções se hospedaram e estabelecimentos nas regiões de seu entorno, como bares, lanchonetes e padarias. Além da cidade do Rio, os fiscais agiram em Niterói, Petrópolis, Teresópolis, Mangaratiba, Duque de Caxias e São João de Meriti.

Entre os estabelecimentos autuados está o Hotel Portobello, onde a seleção italiana se hospedou durante o Mundial. Lá os fiscais descartaram 25kg de massas, camarão, salmão e margarina vencidos, além de 24kg e 150g de produtos sem especificação quanto ao prazo de validade. No Hotel Royal Tulip, onde o time da Inglaterra se instalou, os fiscais inutilizaram 2kg e 362g de manteiga, presunto de parma e salmão vencidos.

Outro destaque foi para o restaurante Laguiole, situado no Museu de Arte Moderna (MAM). Os fiscais descartaram no local mais de 228kg de alimentos impróprios entre carnes, massas, salmão, arroz, frutas, champignon, mousse de chocolate, arroz negro, quibe de cordeiro e atum. Seu cozinheiro chefe foi encaminhado à Delegacia do Consumidor (Decon) onde foi preso em flagrante. No abatedouro O Frangão, de Teresópolis, os fiscais contabilizaram cerca de 500kg de alimentos impróprios para consumo entre carne moída, carne de porco e espetos de frango. Seu proprietário foi encaminhado a 110ª DP, onde também foi preso em flagrante.

A Operação Camisa 10 também contou com o funcionamento especial de atendimento dos servidores do Procon Estadual durante a Copa. Além de continuar atendendo em seus seis postos espalhados pelo Grande Rio, os agentes facilitaram o contato com turistas, torcedores e público em geral, tirando dúvidas sobre relação de consumo e registrando denúncias e reclamações na Rodoviária Novo Rio, Porto do Rio e Aeroportos Santos Dumont e Tom Jobim (Galeão). O horário de atendimento pelo telefone da autarquia (Disque 151) foi ampliado durante a Copa. Neste período, agentes que falam inglês e espanhol estavam a postos para o atendimento de turistas estrangeiros, tanto nos postos quanto por telefone.

Para a Copa do Mundo, o Procon Estadual preparou uma cartilha com orientações sobre o funcionamento dos táxis no Rio de Janeiro e os direitos dos usuários do serviço. Foram impressos 50 mil exemplares da cartilha, dos quais 10 mil em inglês e 10 mil em espanhol, visando aos turistas estrangeiros. Devido ao sucesso da iniciativa, as próximas cartilhas do Procon Estadual também serão impressas em três idiomas.

Texto: Assessoria
Foto: Divulgação