tn_Janeiro RoxoA cúpula e o edifício do Anexo 1 do Senado Federal ficarão iluminados de roxo, até 31 de janeiro, por conta do mês de prevenção à hanseníase, doença bacteriana popularmente conhecida como lepra. A campanha foi oficializada pelo Ministério da Saúde em 2016 e é endossada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), que coordena ações relacionadas ao período em todas as unidades da Federação.

Diretor da SBD, o médico Egon Daxbacher aponta que, por ser tratada como “doença bíblica”, ainda existe preconceito quanto aos infectados. Os cuidados prestados por dermatologistas, contudo, podem impedir que uma pessoa acometida transmita a bactéria a outras.

— Gostaríamos que a conscientização acontecesse o ano todo, mas o Janeiro Roxo já é uma maneira de chamar atenção. Quanto mais rápido as pessoas identificarem a hanseníase, maior a chance de prevenir novos contágios e, principalmente, de evitar sequelas.

Entre os efeitos mais comuns da doença, mencionados pelo dermatologista, estão deformidades nas mãos e nos pés e até perda de visão. Por isso, sinais como manchas e caroços pelo corpo e dormência em membros devem ligar o alerta e fazer qualquer um ir ao médico. Muitas vezes, a pessoa também pode perder sensibilidade em partes do corpo ao calor, ao frio e, em estágios mais avançados, ao toque.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que o Brasil registra uma média de 25 mil casos da doença por ano, tendo ultrapassado 30 mil em 2011. Esses números colocam o país como o segundo país com maior incidência da doença, atrás apenas da Índia.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado