tn_IMG_20200109_130730

 

Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) vistoriaram o túnel extravasor do Rio Palatinato na tarde desta quinta-feira (09.01) em diferentes pontos da galeria. O objetivo foi identificar as condições do equipamento e, dessa forma, estudar obras emergenciais para serem feitas pelo governo do Estado para recuperação do canal, sobretudo no trecho que passa sob a Rua Francisco Scali, no Quissamã. O prefeito Bernardo Rossi já pediu ao governo do Estado e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente para que sejam feitas intervenções o mais rapidamente possível.

“Nossa principal preocupação é no trecho da Francisco Scali, por causa das casas das famílias que vivem na região e o trecho que precisa de maior atenção. A Secretaria de Obras já fez uma vistoria técnica no início desta semana e enviou o laudo para o governo do Estado. Vamos continuar em contato para que possam ser feitas obras o quanto antes”, diz o prefeito Bernardo Rossi.

Os técnicos do Inea estiveram em quatro locais diferentes: na entrada do túnel, na Rua Souza Franco, em um ponto na Rua Quissamã onde a Secretaria de Obras está fazendo a desobstrução da galeria (onde houve alagamento em um terreno por causa da chuva da semana passada), na Rua Francisco Scali – onde um buraco se abriu na via no trecho em que passa o extravasor, e na Rua Pedro Elmer, onde o canal termina e leva a água em direção ao Rio Piabanha.

Todas as questões constatadas pelos técnicos e o levantamento feito pelo Inea serão levados para a Secretaria de Estado de Meio Ambiente.

“Nós vamos passar todas as situações que encontramos ao longo do túnel. Nossa preocupação aqui era a estabilidade do túnel, mas também vamos passar a questão da estabilidade das casas para decidir quais intervenções deverão ser feitas”, afirmou o diretor adjunto de recuperação ambiental (DIRAM-Inea), Edson Falcão.

O túnel extravasor tem mais de três mil metros e é um canal coberto feito em concreto, inaugurado na década de 1970. A prefeitura faz periodicamente a limpezada da galeria, principalmente na entrada, retirando materiais como galhos e lixo que podem impedir a passagem normal da água e causar transbordamentos e alagamentos na região da Rua Souza Franco. Em 2019, o Inea fez uma licitação para que uma empresa faça todos os estudos necessários para elaboração de um projeto de revitalização do túnel extravasor.

 

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura Municipal de Petrópolis