tn__MG_0041

 

O II Seminário de Prevenção da SAF (Síndrome Alcoólica Fetal) foi realizado na manhã desta terça-feira (26.11) no pavilhão de ensino do Hospital Alcides Carneiro (HAC). Durante o evento, a secretária de saúde Fabíola Heck recebeu o anteprojeto SAF Petrópolis da coordenadora do Programa de Políticas sobre Drogas, Leandra Iglesias. O projeto visa ampliar o trabalho de prevenção e orientação que já vem sendo desenvolvido no Centro de Saúde Coletiva. Estima-se que dez em cada 1.000 nascidos vivos sejam afetados pela síndrome.

Desde 2018, grávidas que fazem o pré-natal no Centro de Saúde coletiva já recebem orientações sobre os danos ao feto e também ao futuro indivíduo com a ingestão de álcool em qualquer fase da gestação. Além disso, 70 profissionais da Atenção Básica já foram capacitados para atuar junto às gestantes. O programa está em fase inicial de desenvolvimento no Ambulatório Escola daFMP/FASE, em Postos de Saúde da Família e também no Hospital Alcides Carneiro. Petrópolis foi a primeira cidade da América Latina a ganhar uma semana dedicada ao tema. A Lei 6.641 é de autoria de Bernardo Rossi, quando foi vereador.

O evento teve como palestrante convidado o médico José Mauro Braz de Lima, professor de Medicina da UFRJ e diretor geral científico da Associação Brasileira de Álcool e Drogas que falou sobre os danos ao indivíduo antes de nascer até o fim de sua expectativa de vida. “Naturalmente temos que ter esse olhar, na saúde, na educação, na justiça. Mas também temos que ter o olhar econômico, quanto custa isso pra sociedade?”, questionou. Diferentes de outras síndromes e acometimentos na saúde, o médico ressaltou que a SAF é 100% previsível, justificando desta forma o investimento em prevenção.

Segundo Leandra Iglesias, a Síndrome Alcoólica Fetal, é caracterizada por um conjunto de sinais e sintomas apresentados pela criança decorrentes da ingestão de álcool pela mãe durante a gravidez. O que pode acarretar diversos problemas futuros para o indivíduo, desde a má formação de órgãos aos problemas de aprendizagem, retardos e até microcefalia.

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis