Sebrae em Petrópolis

Proposta foi defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante abertura do fórum da CNDL, que também contou com participação do presidente do Sebrae 

O papel do comércio na aproximação de pessoas e comunidades e na geração de emprego e renda no país foi defendido pelo presidente do Sebrae, Carlos Melles, nesta terça-feira (17). A afirmação ocorreu durante a abertura do IV Fórum Nacional do Comércio, um evento da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), realizado em Brasília. No evento, o ministro da Economia, Paulo Guedes, ressaltou que o governo está voltando suas ações para fortalecer o setor produtivo e para conter os gastos públicos, além de valorizar o setor privado. O encontro, que termina nesta quarta-feira (18), reúne mais de 900 participantes de todos os estados do país.

“O comércio é uma área sedutora, tanto para quem vende como para quem compra”, afirmou Melles, na abertura do fórum. “O Sebrae sempre esteve comprometido com esse setor porque ele tem a magia de aproximar as pessoas, reforçando as relações pessoais”, complementou o presidente do Sebrae, ressaltando que hoje a maior parte das micro e pequenas empresas do país estão no segmento de comércio e serviços. Melles reafirmou que, nos últimos anos, a instituição tem tido papel fundamental no fortalecimento dos pequenos negócios, apoiando e trabalhando a favor de iniciativas como a aprovação da Lei Geral das MPE, a criação da figura do Microempreendedor Individual (MEI), a criação da Empresa Simples de Crédito (ESC), entre outras.

Na abertura do fórum, o ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou como uma “besta” o excesso de gastos público, ressaltando que a intenção do governo é priorizar o setor privado. “Vamos abrir a economia pela produtividade e competitividade”, afirmou Guedes. “Se depender de nós, a besta morre de fome”, acrescentou o ministro, ressaltando que o governo vem adotando várias ações para aprimorar o ambiente de negócios no país. Ele lembrou algumas medidas que foram aprovadas recentemente pelo Congresso, como a Lei da Liberdade Econômica, que beneficiou principalmente os pequenos negócios. “Não tem o menor sentido levar tanto tempo para se abrir uma empresa no Brasil”, exemplificou Guedes.

Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas, José César da Costa, há uma onda de otimismo entre a classe empresarial quanto às reformas da previdência, que tramita no Senado, e a tributária, que está sendo discutida no Congresso. O presidente da CNDL também ressaltou o papel do segmento no desenvolvimento do país, mas acentuou que o custo Brasil é um dos grandes problemas do setor, pois impacta diretamente na classe empresarial. “Somos o termômetro da economia do país”, afirmou José César ao se referir ao segmento de comércio e serviços, que são as duas áreas que mais geram empregos e renda no país.

O IV Fórum Nacional do Comércio é um evento promovido pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e a Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL DF). Tem como objetivo fomentar a discussão sobre a economia brasileira e levar ao poder público propostas que possam assegurar maior competitividade às empresas dos setores de comércio e serviços. O tema central deste ano é “A força do setor que movimenta o Brasil”.

 

Texto: Assessoria
Foto: Divulgação