tn_Reuniões setoriais definem matrizes do Plano Inverno nesta quarta-feira

 

 Quatro reuniões setoriais definem as atualizações das matrizes de atividades e responsabilidades do Plano Inverno municipal nesta quarta-feira (22.05) na Sala de Cooperação da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias. Representantes dos 58 órgãos que integram o plano estão convidados para participar do encontro, que vai definir a responsabilidade de cada instituição no momento em que ocorre o desastre. O trabalho integrado tem a meta de reduzir ainda mais os casos de fogo em vegetação na cidade neste ano: em 2017 foram registrados 302 e no ano passado 174.

 

Além das matrizes, a Defesa Civil também está preparando um calendário de ações de prevenção. O sobrevoo de drone nas áreas propensas aos incêndios florestais, operações de caráter educativo distribuindo panfletos sobre os problemas causados pelas queimadas e a elaboração de trabalhos sobre educação ambiental dentro do Defesa Civil nas Escolas estão previstas na programação. “A integração garante que a gente tenha um grande número de pessoas nas ruas trabalhando de forma antecipada ao lado da população”, pontua o prefeito Bernardo Rossi.

 

Também acontece o treinamento das brigadas de incêndios florestais complementares, simulados e o direcionamento de atuação de cada órgão. A Blitz Verde, iniciativa da Defesa Civil em parceria com a Polícia Militar na entrega de material educativo sobre as queimadas, será ampliada neste ano com a meta de entregar mais de 10 mil cartilhas. “A nossa meta é sempre trabalhar em conjunto, prevenindo as principais ameaças de cada estação no nosso município. Vamos ampliar as ações para que os resultados sejam ainda melhores neste ano”, completa o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

 

Metodologia pioneira no país com relação as ameaças de inverno, o Plano Inverno municipal vem contribuindo na redução do número de casos de incêndios florestais: o 15° Grupamento de Bombeiro Militar (GBM) de Petrópolis registrou 302 queimadas em 2017, sendo 174 atendidas pelo Destacamento de Itaipava. No ano passado, foram 174 casos ao todo, com 78 desses acontecendo na região do terceiro distrito.

 

O fogo prejudica o solo, visto que elimina nutrientes fundamentais a qualquer cultura vegetativa, como o potássio e fósforo. “Os incêndios florestais causam a poluição do ar e prejudicam as nascentes. A prática da queimada é crime, com pena de reclusão, assim como a soltura de balões, outra prática muito comum neste período”, disse o secretário de Meio Ambiente, Renato Couto.

 

O telefone da pasta para denunciar os casos é o (24) 2233-8180. Ou ainda ligar para o Linha Verde, programa do Disque Denúncia do Rio de Janeiro exclusivo para recebimento de informações sobre crimes ambientais, através dos telefones 0300 253 1177 e (21) 2253-1177.

 

“Esse o momento mais crítico relacionado aos incêndios florestais, com menos chuva e as temperaturas mais amenas. Precisamos estar atentos e atuando em conjunto para diminuir ainda mais os casos de incêndios florestais”, completa Paulo Renato.

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis