tn_Maio Roxo giardíase pode levar cães a óbito

Evento,  dia 25, terá palestras sobre o tema, feira de adoção e brindes

 

O Maio Roxo é conhecido por alertar sobre doenças inflamatórias intestinais nos seres humanos. Entretanto,  nos animais, também há problemas intestinais que podem se agravar e levar a óbito como a giardíase.

 

A giardíase é causada por um protozoário denominado giárdia. Esta é uma doença que acomete animais domésticos (cães e gatos),  animais silvestres e também seres humanos. É importante salientar que por ser uma zoonose, afetando também seres humanos, é uma questão de saúde pública.

 

De acordo com a médica veterinária Priscila Mesiano, da Clínica Amigo Bicho, os animais são atingidos ingerindo os cistos  que são como se fossem os ovos eliminados pelas fezes dos animais infectados. “A doença contamina o ambiente, a água e também os alimentos.  Estes cistos são bem resistentes à maioria dos desinfetantes. Isto faz com que se estabeleça uma taxa de reinfecção bem grande”, complementa.

 

A giardíase promove uma alteração intestinal,  levando a uma má digestão e absorção dos alimentos, o que provoca diarreia e vômito. As fezes podem estar  desde pastosas até aquosas, com odor forte, em grande volume. Pode vir com sangue. Muitas vezes, essa diarreia pode vir gelatinosa. O animal pode ficar com flatulência, dor abdominal, ficar desidratado e perder peso também. Muitos animais também podem ficar portadores da giárdia, porém sem sintomas clínicos durante muito tempo.

 

O diagnóstico da giardíase pode ser feito por meio do exame de fezes específico para giárdia, em que a detecção é positiva para o parasita. “Muitas vezes, o exame de fezes simples é difícil de identificar giárdia. Então, o ideal é fazer um exame específico que seria o elisa para giárdia. Esse exame sim é bem fidedigno  para a giardíase”, explica.

 

Há  cura para giardíase. É necessário o tratamento com o uso de vermífugos ou associação de vermífugos específicos e também é muito importante o tratamento do ambiente com desinfetantes que consigam penetrar nos zoocistos.  “Não é qualquer desinfetante que consegue destruir estes cistos. Eles são extremamente resistentes no ambiente. O desinfetante tem que ser a base de quaternário de amônia. Se não fizer o tratamento do animal e o tratamento ambiental, com certeza vai ter falha terapêutica”, a veterinária alerta.

 

A profilaxia é evitar o contato de alimentos e água contaminados, utilizando água mineral ou fervida e a desinfecção de áreas contaminadas,  com este desinfetante a base de quaternário de amônia. Além disso, no Brasil, são vendidas vacinas (giárdia vax) que auxiliam na eliminação dos cistos diminuindo a contaminação do ambiente e o potencial da doença, garantindo imunidade por um ano.

 

Se não tratada, a giardíase  pode desenvolver outras doenças. Em gatos, por exemplo,  qualquer parasita frequente no intestino pode causar doença inflamatória intestinal, o que pode predispor ao linfoma intestinal. Em cães, uma parasitose frequente ou constante também pode levar a uma inflamação crônica  no intestino. “É importante ressaltar que a giardíase pode levar a óbito, especialmente, filhotes, cães idosos e animais com baixa imunidade”, finaliza.

 

Evento – Para alertar sobre a doença,  haverá uma programação no sábado,  dia 25 de maio, de 11h às 15h, na Clínica Amigo Bicho,  na Rua Montecaseros, 414, em Petrópolis. A feira de adoção ficará por conta da campanha #SomosTodosProtetores,  com cães e gatos a procura de um lar, venda de camisetas, além de produtos novos e seminovos.

 

Para adotar, é preciso ser maior de idade, apresentar comprovante de residência,  identidade e firmar compromisso de posse responsável.

 

“O nome #SomosTodosProtetores surgiu da ideia de explicar e ensinar que todas as pessoas podem  ajudar um animal abandonado ou em situação de emergência. Todos nós devemos cuidar dos animais que aparecem em situação de risco na nossa rua, comunidade ou cidade. O hábito de esperar que alguém venha resgatar é prejudicial e pode causar a morte do bicho. Primeiro porque não existe este tipo de serviço  e segundo porque protetores, grupos, ONG`s e entidades voltados para a causa animal estão sobrecarregados, lotados de animais e endividados”, esclarece Mariana Davies, criadora da campanha.

 

Ao longo do evento, serão distribuídas amostras de ração Guabi Natural e haverá degustação de pastinhas para os cães. As palestras ficarão por conta da Zoetis, ministrada pela veterinária Lia Cezimbra,  com o tema “A importância da giardíase canina” e também da Agener União, ministrada pelo veterinário João Frederico E. Guerra, falando sobre a “Importância da higiene no tratamento e prevenção da giardíase”. As duas apresentações serão realizadas em sequência,  a partir das 14h.

 

Texto: Assessoria
Foto: Divulgação