tn_20190227_095305

 

Graças a uma parceria entre as secretarias de Educação, Saúde e Assistência Social, o município vai colocar em prática na rede municipal de Educação o Programa Busca Ativa Escolar – iniciativa do Unicef e Undime que combate a erradicação escolar através do monitoramento das faltas dos alunos matriculados nas escolas da rede. Os diretores das 182 unidades educacionais estão participando de uma capacitação para aprender a utilizar o sistema. Uma das formações ocorreu nesta quarta-feira (27.02), na Casa da Educação Visconde de Mauá.

O programa está disponibilizado para todos os municípios através de uma plataforma on-line. O objetivo é o de auxiliar os governos na identificação, registro, controle e acompanhamento de crianças e adolescentes que estão fora da escola ou em risco de evasão. Segundo levantamento da plataforma, 4.292 menores de idade estão fora da escola em Petrópolis, o que representa apenas 7% do público de estudantes entre 4 e 17 anos.

“O índice em Petrópolis é baixo em comparação com outras realidades, no entanto, precisamos estar atentos a erradicação escolar. O programa é um reforço para os municípios, que poderão ter acesso a dados concretos para poder desenvolver e implementar políticas públicas que contribuam para a inclusão escolar”, explica o prefeito Bernardo Rossi.

O programa foi desenvolvido pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas) e o Instituto TIM.

“Essa capacitação inicial serviu para mostrar o programa para as diretoras e explicar a importância da contribuição das diretoras nesse processo. Elas conhecem as famílias e a realidade das crianças. A Secretaria de Educação vai cadastrar as diretoras no programa e automaticamente elas poderão alimentar o sistema de acordo com as informações dos alunos”, afirma a secretária de Educação, Marcia Palma.

Após a implantação do Busca Ativa Escolar no município cada Secretaria ou grupo terá um papel específico, que vai desde a identificação de uma criança ou adolescente fora da escola até a tomada das providências necessárias para a matrícula e a permanência do aluno ou aluna na escola. Os diretores alimentarão os dados dos alunos e o monitoramento de frequencia será regular. Decorrido um ano e não tendo sido constatado problema com a criança ou o adolescente (re)matriculado, o caso recebe o estado Concluído. Caso seja verificada a evasão, o caso recebe o estado Fora da escola.

“Esse é um trabalho intersetorial que pode ajudar a aproximar essas crianças não só da escola, mas também, de serviços ofertados pelas Secretarias de Saúde e Assistência Social. Conforme o alerta é enviado, os técnicos das outras secretarias vão conferir a realidade daquele caso e encaminhar para o atendimento necessário”, explicou Roberta Castro, da Associação Cidade Escola Aprendiz, que está realizando a capacitação do Programa Busca Ativa Escolar.

Todo o processo poderá ser feito pela internet e a ferramenta pode ser acessada pelos diretores das escolas em qualquer dispositivo, como computadores de mesa, computadores portáteis, tablets, celulares (SMS) e smartphones.

“Esse foi um primeiro encontro com as diretoras para apresentação do Programa, para mostrar que a alimentação do sistema não é complicada. As dúvidas poderão ser esclarecidas no Departamento de Inspeção Escolar da Secretaria de Educação. Todas as inspetoras poderão auxiliar os diretores após a implantação do programa”, afirmou Ana Paula Valle, coordenadora operacional do Busca Ativa Escolar em Petrópolis e chefe do Departamento de Inspeção Escolar da Secretaria de Educação.

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis