defesa-civil1

 

Uma casa foi interditada pelos técnicos da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias na Rua Ceará, no Espírito Santo, em virtude de um deslizamento de terra na manhã de hoje (13.02). A barreira atingiu a garagem do imóvel, que ficou descalçado após a queda da terra.  As equipes também atenderam a queda de um muro na Rua Antônio Noel, na Duarte da Silveira, uma queda de árvore na Rua Washington Luiz, no Centro, além de um pequeno deslizamento na Rua Sebastião Pinho da Silva, no Retiro, que não coloca em risco a residência próxima.

 

No início da tarde, a Coronel Veiga foi fechada pelas equipes da CPTrans e da Guarda Civil por cerca de 1h na altura do Gulf. O trânsito de veículos foi liberado às 12h15. A Defesa Civil permanece monitorando os níveis dos rios e não destaca novas interdições no local caso o Rio Quitandinha esteja próximo de transbordar. O maior índice acumulado de chuva está no Independência, com 147 milímetros de chuva em 24 horas. No mesmo período, choveu 115 no  Dr. Thouzet.

 

O tempo vai permanecer instável em Petrópolis ao longo desta semana e com possibilidade de novas pancadas de chuvas a qualquer momento. Os 55 agentes da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias trabalham em estágio de alerta e estão de prontidão para realizarem os atendimentos.

 

“É importante que os moradores que vivem em regiões de maior risco tenham atenção redobrada, por conta da previsão de chuva que é extensiva até o final de semana. A população deve ligar para o 199 e informar as ocorrências”, disse o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

 

Em caso de qualquer sinal de instabilidade no imóvel ou terreno, o morador deve ligar para o telefone 199 e pedir uma vistoria preventiva à Defesa Civil. A ligação e o serviço são gratuitos.

 

Sirenes do Sistema de Alerta e Alarme 

 

Todos os 20 conjuntos de sirene da Prefeitura de Petrópolis estão funcionando perfeitamente, mas não houve a necessidade de serem tocados. Os equipamentos são ligados segundo critérios técnicos do setor de engenharia da Defesa Civil. Para o acionamento, é levado em consideração os acumulados recentes – 24 e 96 horas – associados a quantidade de chuva na última hora. Os protocolos são iguais para todos os bairros que apresentam maior risco geológico (primeiro distrito).

 

Na Estrada do Gentio e no Buraco do Sapo, as sirenes contam com tecnologia de alerta de inundações e de quantidade de chuva simultaneamente. O acionamento acontece quando o Rio Santo Antônio chega em 3 metros e pode ser feito de três maneiras: pela internet, diretamente na sede da Defesa Civil, ou através de um rádio que funciona a uma distância de até um quilômetro – equipamento que fica com os responsáveis pelo Núcleo Comunitário de Defesa Civil (Nudec) de cada região.

 

 

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis