Comitê Olímpico dos EUA quer fim de federação de ginástica após abusos

Apesar da indefinição quanto ao futuro da organização do esporte no país, o caminho mais provável apontado na carta é a constituição de uma nova entidade

O Comitê Olímpico dos Estados Unidos anunciou na noite desta segunda-feira (5) que tomou as primeiras medidas para retirar da federação de ginástica americana (Usag, na sigla em inglês) a condição de principal órgão regulador da modalidade no país.

Segundo a entidade máxima do esporte olímpico dos EUA, foi oferecida à federação a possibilidade de abdicar voluntariamente do seu papel.

O comitê aponta sucessivas falhas da federação ao lidar com casos de abuso sexual na modalidade como principais motivos para sua decisão.

Em carta direcionada à comunidade da ginástica nos EUA, Sarah Hirshland, chefe do comitê olímpico, afirma que o processo envolve várias etapas, como montagem de um painel de revisão, realização de audiência, emissão de relatório e de uma recomendação. Em seguida, o órgão votará se continuará reconhecendo a federação ou se revogará definitivamente seu status.

“Nós trabalhamos de perto com o novo conselho da USAG nos últimos meses para apoiá-los, mas, apesar do esforço diligente, ela continua a debater-se. Isso não é justo para os ginastas em todo o país. Mesmo semanas atrás, eu esperava que houvesse um caminho diferente. Mas agora nós acreditamos que isso não é mais possível”, afirmou Hirshland.

Apesar da indefinição quanto ao futuro da organização do esporte no país, o caminho mais provável apontado na carta é a constituição de uma nova entidade. Enquanto isso, o comitê afirma que os atletas continuarão treinando e competindo, e que o órgão garantirá apoio à participação dos atletas na Olimpíada de Tóquio-2020.

A Usag tenta se recuperar de um amplo escândalo de abuso sexual envolvendo Larry Nassar, antigo médico da equipe nacional de ginástica condenado por abusar sexualmente de diversas atletas.

Além de suas respostas tardias às queixas, a federação não conseguiu nos últimos meses formar uma nova equipe de liderança.

Kerry Perry, que substituiu Steve Penny como chefe executivo, foi expulsa depois de nomear Mary Lee Tracy, uma treinadora de elite, para uma posição de liderança, apesar de Tracy ter continuado a defender Nassar após 50 mulheres se apresentaram como vítimas de seus abusos.

No mês passado, a diretoria da federação nomeou a ex-congressista Mary Bono como diretora-executiva interina, mas ela pediu demissão quatro dias depois, após várias ginastas se queixaram de sua associação com um escritório de advocacia que havia assessorado a federação durante o escândalo Nassar.

No último campeonato Mundial da modalidade, encerrado no sábado (3) em Doha, a seleção dos EUA conquistou nove medalhas e liderou o quadro da competição. Simone Biles, maior estrela do esporte e também vítima de abusos de Nassar, ganhou seis delas: cinco individuais e uma por equipes. Com informações da Folhapress.