tn_Prêmio Gutierrez

Além da palestra com o vencedor do Prêmio, cerimônia de premiação foi marcada pelo lançamento de exposição, coleção digital e vídeos destacando o legado do professor Carlos Teobaldo Gutierrez Vidalon

 

De malas prontas para o pós-doutorado no Korea Institute for Advanced Study (KIAS), em Seul, na Coreia do Sul, o colombiano Plinio Pino Murillo, 28 anos, deixa Brasil com mais uma lembrança inesquecível: foi aplaudido de pé ao concluir sua palestra na cerimônia de entrega do Prêmio Professor Carlos Teobaldo Gutierrez Vidalon 2018, realizada na última segunda-feira, 27 de agosto, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICM) da USP.

 

“Falei dos resultados da minha tese, mas também da história para chegar até eles, incluindo momentos difíceis de falta de confiança, motivação e de como é importante o trabalho do orientador também nesse campo pessoal. Tentei que a cerimônia fosse uma oportunidade para motivar alunos mais novos que talvez passem por essas situações, para que tentem lidar com elas e acreditem no que gostam. Espero ter conseguido”, contou Murillo, que defendei a tese de doutorado no Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), no ano passado. Ele recebeu um certificado das mãos da diretora do ICMC, Maria Cristina Ferreira de Oliveira, e um prêmio em dinheiro.

 

Além dos elogios à apresentação, Ali Tahzibi, pesquisador do ICMC, destacou o feito de Murillo, que disputou a premiação com outros 24 trabalhos: “Ele conseguiu sintetizar a tese de forma profunda e com senso de humor. Está de parabéns, assim como o IMPA”. Assim como o colombiano, Tahzibi fez doutorado no IMPA. “Fui orientado por Jacob Palis”, contou, com orgulho.

 

Durante a cerimônia, o ICMC lançou três iniciativas para ressaltar o legado de Gutierrez: uma exposição sobre a vida e obra do peruano; uma coleção digital com trabalhos dele; e sete vídeos disponibilizados noYoutube, nos quais os principais resultados obtidos pelo pesquisador são destacados por professores da área. A ideia, contou Tahzibi, surgiu quando um de seus alunos perguntou informações básicas sobre o peruano.

 

“Percebi ali que, dez anos após a criação do prêmio, precisávamos também divulgar o legado de Gutierrez. Tínhamos muito material dele, que estava guardado, com muito zelo, em um armário. O lugar certo é na biblioteca”, relatou Tahzibi, coordenador das homenagens.

 

Organizada pela equipe da Biblioteca Achille Bassi, do ICMC, a coleção digital Professor Carlos Teobaldo Gutierrez Vidalon está disponível no Repositório Institucional do ICMC e reúne 33 notas de aulas manuscritas sobre Teoria Ergódica e Teoria da Bifurcação, o diploma de doutorado no IMPA, além de outros materiais. Já a exposição estará em cartaz na vitrine da Biblioteca do Instituto, a partir desta segunda-feira, 3 de setembro, onde permanecerá até dia 21.

 

 

O prêmio – Criado em 2009, a distinção homenageia o pesquisador peruano Carlos Gutierrez (1944-2008), que trabalhou no IMPA até 1999. Depois, atuou como professor titular no ICMC, onde contribuiu com a fundação e organização do grupo de pesquisa em Sistemas Dinâmicos. Das dez edições do Gutierrez, que é apoiado pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), o IMPA conquistou oito.

 

Na edição deste ano, Murillo foi reconhecido pelo trabalho On arithmetic manifolds with large systole, sob orientação de Mikhail Belolipetsky. Na tese, foram estudados dois elementos geométricos – os cumprimentos de curvas e o volume – em espaços que têm forte ligação com teoria dos números, chamados variedades aritméticas. “Espero que esse tipo de prêmio sirva para que outras pessoas também se sintam motivadas e apoiadas a continuar seu próprio caminho”, enfatizou, acrescentando que foi atraído pelo mestrado e doutorado no IMPA pela alta formação do corpo científico da instituição e do acesso que se tem à informação. “Esses recursos são muito importantes para uma excelente pesquisa em matemática e, como aluno, pude aproveitar ao máximo”, acrescentou.

 

Ao ser indagado sobre uma forma de explicar o trabalho para um público não especializado em matemática, Murillo fez analogias com situações e objetos do cotidiano: “Vamos a imaginar, por um momento, que a Terra é como uma bola de futebol, e o Equador é aquele círculo bem no meio da bola. A área da bola e o Equador estão intimamente relacionados. De fato, um determina o outro. Esse é um exemplo de uma relação entre duas quantidades geométricas diferentes. Nós podemos pensar na mesma situação agora com uma rosquinha e relacionar círculos com a sua área. Em minha tese, tratamos essa relação em espaços matemáticos parecidos com a Terra, com a bola de futebol ou com uma rosquinha, mas que, de alguma maneira, são construídos usando aritmética.”

 

 

Texto adaptado de Karine Rodrigues/Assessoria de Comunicação do IMPA

Fotos: Reinaldo Mizutani/ Assessoria de Comunicação do ICMC