tn_Petrópolis aérea (6)

A expectativa é de que sejam gerados 500 empregos temporários entre os meses de maio e agosto no setor

            Quando as temperaturas começam a cair é sinal de que está por vir a melhor fase do turismo em Petrópolis. Números do início da alta temporada na cidade já mostram que o setor vai estar aquecido este ano. No último fim de semana, com dias de céu azul, mas temperaturas baixas (a mais baixa chegou a 4ºC), hotéis e pousadas do município registraram 84,3% de ocupação, entre sexta-feira (18.05) e domingo (20.05), graças ao friozinho da Serra. A expectativa é de que sejam gerados 500 empregos entre os meses de maio e agosto no setor de turismo, serviços e comércio em função do aumento no número de visitantes que a cidade recebe.

E é no período que o inverno chega de fato que a cidade tem o seu ápice no turismo, com a Bauernfest – a Festa do Colono Alemão que este ano acontece entre os dias 22 de junho (dia seguinte à chegada da estação) e 1º de julho, no Palácio de Cristal e arredores. No ano passado, o evento recebeu mais de 320 mil pessoas. A rede hoteleira comemorou a ocupação de 98,3% no último fim de semana da festa. A expectativa é que em 2018 estes números sejam ainda maiores. Festivais de inverno, de gastronomia, feiras de cerveja artesanal e outras festas, completam o calendário de eventos da alta temporada.

“Esse é melhor período para o turismo em Petrópolis. E, para este ano, nosso objetivo é continuar oferecendo diferentes opções para o visitante, melhorando a qualidade dos nossos eventos, dos nossos atrativos, e criando novas parcerias com a iniciativa privada para que o turista venha, se encante, e permaneça mais tempo na cidade. O município já é referência no turismo durante o inverno. Além de todo nosso patrimônio histórico e cultural, temos excelentes polos gastronômicos, pousadas ligadas a natureza e que fazem com que o visitante entre no clima do friozinho da Serra, com uma lareira, um bom vinho. As opções são inúmeras”, destaca o secretário da Turispetro, Marcelo Valente.

Nos pontos turísticos, o mês de julho – combinando o frio com as férias escolares – é o que mais atrai visitantes. Em 2017, a Casa de Santos Dumont recebeu 26.754 mil pessoas no mês, um aumento de mais de 200% em relação a março daquele ano, por exemplo, quando o museu contou com 8.441 turistas. Aumentos semelhantes são notados também em todos os outros atrativos, como Museu Imperial, Museu Casa do Colono, e até no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso), já que o período também está dentro da temporada de montanhas.

Para os hotéis, o período é aguardado durante todo o ano. Segundo o presidente do Convention & Visitors Bureau, Samir El Ghaoui, Petrópolis oferece os principais produtos que o turista procura neste período. “Temos diversos eventos ligados ao frio, como o Festival de FonduesRacletes, Caldos e Cremes, em julho, o Serra Wine Week, entre diversos outros. Além dos nossos polos de moda e nossa segurança – uma das melhores do estado – que também ajudam para que o turista escolha Petrópolis como destino nessa época. E ainda a qualidade da nossa hotelaria e todo trade turístico. A expectativa é muito boa para otimista temporada”, frisa.

 

Economia aquecida

Com hotéis e restaurantes lotados, quem ganha é a economia da cidade. Para o período, a estimativa é de que sejam contratados cerca de 500 funcionários temporários nos setores de turismo e serviços. Só a Bauernfest deve empregar pelo menos 350 pessoas. No ano passado, R$ 40 milhões foram injetados na economia do município com os 10 dias de festa.

“Os visitantes procuram Petrópolis para ter uma experiência diferenciada na época do frio. A cidade possui um setor gastronômico muito conhecido e uma rede hoteleira atraente para esse público. Cerca de 500 empregos temporários devem ser criados entre junho e agosto e esse número pode aumentar ainda mais durante a Bauern. A expectativa é a de criação de pelo menos entre 350 e 400 empregos diretos só na festa”, frisa o secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Fiorini.

Em fevereiro de 2018, a cidade alcançou o topo do ranking do turismo nacional. O crescimento nos números de empregos e estabelecimentos no setor de hospedagem e o aumento do fluxo turístico doméstico e internacional foram as principais razões que levaram o Ministério do Turismo a subir a categoria do município, passando de “B”, para “A” no novo Mapa do Turismo Brasileiro. Com uma média de 1.6 milhão de visitantes por ano, o turismo representa R$ 660 milhões do PIB anual do município. A cidade teve um movimento cerca de 30% maior de turistas no ano passado em comparação a 2016 durante os fins de semana.

 

 
Texto: Assessoria
Foto: Divulgação