tn_Prefeitura realiza 1º mutirão noturno de cirurgias nesta quarta-feira (18)

20 pacientes serão operados no HAC pela equipe de Urologia

Equipe de Urologia realizou cirurgia inédita de ressecção de tumor na bexiga há 15 dias

A prefeitura realizará pela primeira vez em Petrópolis um mutirão noturno de cirurgias. Ao todo 20 pacientes serão operados nesta quarta-feira (18.04), no maior hospital público do município, o Alcides Carneiro. A equipe do Serviço de Urologia vem se destacando na realização de procedimentos inéditos na unidade e aplicará a moderna técnica endoscópica a laser nas cirurgias de próstata, bexiga, tumores e até vasectomias. A cirurgia minimamente invasiva proporciona ao paciente menos tempo de internação, menor risco de infecções e sangramentos e mais qualidade de vida no pós-operatório.

 

O prefeito Bernardo Rossi reforça que o Hospital Alcides Carneiro realizou no ano passado 699 cirurgias urológicas e a unidade projeta aumento de 10% na assistência da população em 2018.

 

“Estamos avançando na assistência a Saúde do Homem. Ano passado realizamos a primeira cirurgia inédita urológica e este ano outras duas cirurgias de grande porte que foram realizadas graças aos recursos tecnológicos e a equipe de cirurgiões altamente capacitada. O HAC vem em uma crescente, o hospital conseguiu alcançar todas as metas pactuadas no ano passado e este ano pretende aumentar o atendimento ainda mais”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

 

Este será o terceiro mutirão realizado este ano no hospital. O primeiro ocorreu em fevereiro onde foram selecionados sete pacientes que operaram hérnia e vesícula, uma das maiores demandas cirúrgicas do município. E em março oito pacientes foram operados pela equipe de Cirurgia Vascular.Explorando todo potencial cirúrgico do Hospital Alcides Carneiro (HAC), a prefeitura montará um cronograma de mutirões de cirurgias, procedimentos e exames na unidade com execução para este ano.

 

Acompanhando o crescimento do número de procedimentos realizados na unidade, o HAC planeja, ainda, a criação de mais uma sala para o centro cirúrgico e reformas do centro de material e esterilização (CME). O centro cirúrgico do HAC, que conta com seis salas cirúrgicas, realiza em média 640 procedimentos por mês, entre média a alta complexidade, que significam 7,6 mil cirurgias anualmente de todas as especialidades disponíveis.

 

“A sugestão dos mutirões foi uma ideia abraçada pela direção do hospital que nos possibilitou projetar, inclusive, mutirões à noite e de madrugada sem que se interrompa a rotina cirúrgica do hospital. A nossa proposta é alinhar a acessibilidade da população aos recursos técnicos e a competência dos profissionais atuantes no centro cirúrgico”, afirma Silmar Fortes, secretário de Saúde.

 

Equipe de Urologia do HAC projeta expansão dos serviços

 

A equipe de Urologia do Hospital Alcides Carneiro é composta por 7 urologistas que realizam em média 60 cirurgias por mês, desde cirurgias de pequeno às de médio porte e busca ampliar as de alta complexidade.  O urologista Pedro Gabrich explica que a equipe está aumentando a atuação nas cirurgias minimamente invasivas (com pequenas incisões) e as cirurgias endoscópicas (pelo canal da uretra), como as cirurgias de laser da próstata ou de tumores de bexiga onde pode ser realizada a ressecção do tumor preservando a amostra como um todo para análise da patologia.

 

“Realizamos ano passado uma cirurgia inédita de próstata, este ano uma de remoção completa da bexiga (Cistectomia Radical) e há 15 dias outro procedimento inédito de ressecção de tumor da bexiga. Esses procedimentos estão sendo realizados no Brasil recentemente e trouxemos para o SUS uma técnica moderna e que trás variados benefícios para o paciente”, avalia o médico.

 

No mutirão que será realizado nesta quarta-feira (18.04) os 20 pacientes também serão operados pelanova técnica que é minimamente invasiva. A cirurgia é realizada por meio de um aparelho endoscópico e um bisturi a laser que reduz os impactos de uma cirurgia aberta, além diminuir o risco de infecção e de dias de internação. A técnica proporciona ainda um pós-operatório mais rápido e com qualidade de vida para o paciente.

 

“A realização dessa técnica em um hospital público representa um avanço para o SUS no município. Conseguimos evitar a internação em leitos em CTI e o uso de bolsas de sangue para transfusão. Em grande parte dos casos os pacientes têm alta no dia seguinte à cirurgia. Estamos projetando a expansão dos serviços também na área ambulatorial e assim promover uma assistência ampla junto ao programa Saúde do Homem”, reitera o diretor do hospital, Filipe Furtuna.

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis