tn_Servidores públicos se preparam para atender deficientes auditivos

80 pessoas estão aprendendo Libras, Língua Brasileira de Sinais

 

 

Servidores públicos de vários setores – 80 pessoas no total – estão aprendendo Libras, a Língua Brasileira de Sinais. Interagir com o deficiente auditivo e ter uma interação com esse público é o objetivo do curso oferecido pela prefeitura por meio da Secretaria de Educação. Boa parte dos educadores e profissionais da rede de educação – que possui 81 alunos com deficiência auditiva – já domina a linguagem dos sinais.

A capacitação dos servidores segue até junho.  “Pela primeira vez foram abertas vagas para servidores de outras secretarias justamente para que essa parcela da população possa ser bem atendida nas secretarias, unidades de saúde e pontos de atendimento aos turistas. Essa capacitação, além de necessária, mostra para os surdos que a acessibilidade é para todos e a intenção da prefeitura é de que outras turmas sejam formadas para que cada vez mais os servidores possam estar habilitados em bem atender esse público”, aponta o prefeito Bernardo Rossi.

Foram formadas três turmas.  As aulas ocorrem durante a semana na EM Santos Dumont e no CREI – Centro de Referência em Educação Inclusiva. “As pessoas que estão participando do curso serão multiplicadoras de conhecimento, não só nas escolas, mas em todos os departamentos do poder executivo. Cada vez mais vemos a inclusão como uma realidade na nossa sociedade, e é necessário que os servidores estejam preparados para bem receber as pessoas que utilizam a libras para se comunicar. Esse curso é um marco na rede municipal”, disse a secretária de Educação Interina, Samea Ázara.

Nas terças-feiras, as aulas ocorrem na Escola Municipal Santos Dumont, unidade especializada no atendimento de alunos surdos. Atualmente, a escola atende a 38 crianças – matriculadas da educação infantil até o 5º ano do ensino fundamental.

“O curso sempre contou com a participação dos professores. Mas, sempre tivemos esse sonho de estender esse atendimento para outros servidores. Atendemos na escola muitos surdos que explicam a dificuldade de se conseguir atendimento em alguns setores. Sendo a escola referência, nós os ajudamos a superar essas dificuldades, mas, é necessário que outras pessoas sejam habilitadas para atendê-los da melhor forma possível”, explicou Valéria Machado Duriez, diretora da escola desde a sua fundação, em 1990.

 

Leandro Mello é da Guarda Civil e está na corporação há 21 anos. Pela primeira vez, se inscreveu em um curso de libras. “Sempre temos contato com essas pessoas tanto nas escolas como nas ocorrências da rotina diária e sempre senti essa necessidade de aprender a libras para me comunicar melhor com elas. A especialização é boa para o meu trabalho, mas, também para os surdos que tem o direto de se sentir acolhidos nos diversos departamentos da administração pública. O mais interessante do curso é que a instrutora é surda, o que nos motiva ainda mais”, disse.

De acordo com a diretora do Departamento de Educação Especial da Secretaria de Educação, Bianca Caetano o curso representa o acesso dos surdos.  “As pessoas serão preparadas para que a libras seja utilizada nos diferentes equipamentos públicos. A relação entre o ouvinte e o surdo deve ser de qualidade e esse é o nosso maior objetivo”.

Na programação do curso, aulas práticas, estudo de textos e atividades dirigidas em grupo. No decorrer do curso os alunos também visitarão uma instituição para surdos. A instrutora responsável pelo curso é Marcela Leal Junqueira.

Vale destacar que no início de 2018 a Secretaria de Educação chamou mais 65 concursados para integrar a rede. Entre eles, dez cuidadores, dois instrutores de libras e três intérpretes. Eles escolheram as vagas em janeiro e ingressaram na rede no dia 5 de fevereiro, início do ano letivo. A rede conta com mil alunos inclusivos e, destes, 81 possuem deficiência auditiva.

 

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis