Imigração de venezuelanos para Roraima foi debatida em audiência pela CDHOs desafios dos governos estadual e municipais para atender os imigrantes venezuelanos que chegam todos os dias ao Brasil foram debatidos nesta terça-feira (27) em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). Saúde e segurança são os principais problemas enfrentados pelos governos.

Milhares de imigrantes venezuelanos entraram no Brasil nas últimas semanas, e continuam entrando, principalmente por Pacaraima, em Roraima. O embaixador Tarcísio Costa, representante do Itamarati, observou que o fluxo migratório exige mais investimentos em infraestrutura, saúde, segurança e educação. E observou que compromissos internacionais do Brasil impedem que o país feche as fronteiras.

- Nós somos um povo formado por imigrantes. Conflitaria muito com a lógica da nossa formação uma atitude de repulsa, de expulsão, não apenas com a nossa tradição, mas com os nossos compromissos internacionais – explicou.

Ao contrapor opiniões de que o Brasil está em crise e os investimentos devem ser destinados aos brasileiros, a representante da Cruz Vermelha, Carolina Soares, disse que as pessoas precisam de ajuda.

- A principal missão da Cruz Vermelha é atenuar o sofrimento humano. A gente vê esse povo sofrendo, essas pessoas precisando de ajuda, e não importa se é brasileiro ou não.

Da mesma opinião, a presidente da Comissão de Direitos Humanos, senadora Regina Souza (PT-PI), defendeu um olhar humanitário sobre a imigração de venezuelanos.

- Espero que o Brasil olhe para isso dessa forma: com os olhos dos direitos humanos. Espero que o Brasil não entre na aventura de olhar com o olhar político, por exemplo, que os Estados Unidos entram – declarou.

O senador Telmário Mota (PTB-RR), autor do requerimento da audiência pública, disse que o governo federal tem ajudado, mas, em sua avaliação, a situação exige mais ações e investimentos, especialmente em saúde e educação.

- É preciso que o governo federal tenha esse olhar humanitário com o estado mais pobre da federação. E com certa rapidez, porque o caso exige. Roraima grita por socorro em todos os aspectos – disse o senador.

Também participaram da audiência pública o prefeito de Pacaraima, Juliano Torquato, e representantes do Ministério dos Direitos Humanos, da Federação Humanitária Internacional, do Conselho Nacional de Imigração, das Nações Unidas para Refugiados e do Ministério da Saúde.

 

Da Rádio Senado
Agência Senado