tn_Polícia Federal recebe pedido da Prefeitura para investigar túnel da Concer

Município atua no atendimento a 95 famílias de áreas evacuadas

 

Além das ações civis propostas contra a Concer, o município reivindica que a Polícia Federal atue no levantamento da responsabilidade criminal da empresa no desastre de terça-feira (07.11) na BR-040 onde uma cratera de 70 metros de profundidade e 30 metros de diâmetro, foi aberta às margens da estrada, em um local onde a concessionária abandonou a perfuração de um túnel, que faz parte das obras para construção da nova pista de subida da Serra. O prefeito Bernardo Rossi esteve nesta segunda-feira pela manhã com o delegado Adriano Kaipper, no núcleo da PF na cidade.

“Também estamos pedindo que se apure a responsabilidade dos órgãos ambientais que concederam licenças e que deveriam fiscalizar a intervenção mesmo após a paralisação da obra, assim como a Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT)”, aponta Bernardo Rossi.

Em audiência especial da 4ª Vara Cível, na sexta-feira (10.11), na prefeitura, o engenheiro civil, Bruno Amaral, responsável pela obra, disse ao juízo, que desde novembro do ano passado a obra, que foi suspensa em junho de 2016, não recebeu nenhum monitoramento da empresa.

“Temos 95 famílias fora de suas casas e um trecho importante da BR-040 interditado, o que compromete a economia e o turismo da cidade. Felizmente não tivemos vítimas, porém os prejuízos são imensos não só para os moradores, mas para toda cidade”.

 

Concer terá de entregar documentos à Defesa Civil

 

Tanto o Ministério Público Federal quanto a Justiça determinaram que a Concer entregue documentos da obra da nova pista de subida da serra, que inclui o túnel, à Defesa Civil. O MPF determinou a entrega até esta segunda-feira (13.11) e o juiz titular da 4ª Vara Cível, Jorge Martins, em decisão proferida na madrugada de domingo determina também que a Concer entregue toda a documentação técnica referente à construção do túnel e da nova pista de subida da serra ao município.  O prazo dado pelo magistrado é de cinco dias úteis a contar desta segunda-feira e a desobediência prevê multas e procedimento de busca e apreensão.

 

 

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura Municipal de Petrópolis
Foto: Marcello Santos​