tn_Meio Ambiente multa oficina por despejo irregular

Dono do estabelecimento não tinha alvará e nem a licença ambiental que permite a atividade

 

O setor de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente multou o dono de uma oficina mecânica no Carangola por despejo irregular de material no leito de um riacho em área de preservação permanente. O estabelecimento também não tem alvará de localização e nem a licença ambiental que permite a atividade. Os fiscais encontraram abandonados no espaço da oficina pneus, carcaças e peças de veículos. A equipe realizou uma operação no bairro nesta quarta-feira (25.10) e notificou também um morador que colocou fogo em uma lixeira.

“Verificamos que os efluentes eram lançados diretamente no riacho, sem qualquer tratamento, provocando a poluição do curso hídrico. Em alguns pontos do terreno foram detectados vestígios de resíduos líquidos em contato direto com solo, que deveriam ser óleos lubrificantes ou graxas, proveniente das peças, o que pode resultar na contaminação do solo”, explica o chefe do setor de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente, Miguel Fausto, lembrando ainda os problemas causados pelo abandono de material.

“Além disso, a área possui diversos pneus, carcaças, peças de veículos e outros materiais diversos espalhados de forma indiscriminada, expostos as mais variadas condições climáticas, o que acarreta o acúmulo de água, contribuindo para a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças como a dengue, zika e chikungunya”, completa.

Os fiscais também notificaram um morador na Rua Vicenzo Rivetti, que colocou fogo em uma lixeira. Ele foi orientado a não realizar mais a prática. Caso haja novas denúncias contra o homem, ele poderá ser multado.

“É importante conscientizarmos a população de que a queima de lixo, além de causar a poluição atmosférica com o lançamento de diversas substâncias tóxicas, é uma das causa dos problemas respiratórios, prejudicando a saúde pública. Sem mencionar os sérios danos que a prática causa ao meio ambiente o risco de causar um incêndio no local”, disse Miguel.

Desde janeiro o órgão atendeu 730 denúncias de crimes ambientais, entre casos de supressão de vegetação, poluição de curso hídrico, contaminação de solo, empresas funcionando sem licença ambiental e queimadas. São realizadas operações semanais com o objetivo de reduzir os casos.

 

“Nossa prioridade é proteger as áreas verdes do município. Por isso, disponibilizamos um número de celular que funciona 24 horas, todos os dias da semana, para recebermos as denúncias. A parceria com a população é fundamental para que o nosso trabalho seja eficaz”, explica Fred Procópio, secretário de Meio Ambiente.

 

As denúncias de crimes ambientais podem ser feitas para a Secretaria de Meio Ambiente através dos telefones: (24) 2233-8180 e (24) 98828-8633.

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis