Programa Pró-Egresso85 reeducandos do sistema penitenciário foram inseridos no mercado de trabalho

São Paulo, 06 de janeiro de 2014 – O Governo do Estado de São Paulo implantou 339 bolsas do Pró-Egresso (Programa Estadual de Inserção de Egressos do Sistema Penitenciário) em 2013. A ação, vinculada à Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT), beneficiou reeducandos do regime semiaberto e egressos do sistema penitenciário de nove cidades – Valparaíso (20 bolsas), Pacaembu (27), São José do Rio Preto (70), Bauru (92), Hortolândia (39), Tupi Paulista (30), Monte Castelo (10), Itapetininga (30) e Presidente Venceslau (21).
Do total de bolsistas, após a conclusão do programa, 85 foram contratados por 32 empresas privadas dos setores da construção civil, administração, limpeza, jardinagem e telemarketing.
Para a supervisora do programa, Meri Floriano, o Pró-Egresso tem avançado na atuação nos últimos anos. “Demos uma alavancada em 2013. Acredito que neste ano as empresas proponentes, ganhadoras de licitações em todas as modalidades, não deixarão de contratar”, afirmou.
Metas
Para aumentar o número de bolsas distribuídas e de egressos no mercado de trabalho, foram definidas as metas deste ano:
- Dar sequência às palestras de conscientização a fim de combater o preconceito contra ex-presos.
- Aumentar o número de colaboradores para a equipe interna do programa.
- Estimular a participação dos presos e egressos através de cursos diferenciados, que despertem interesse e com qualificação apropriada às necessidades do mercado.
- Divulgação e incentivo às demais empresas que não participam de licitações estaduais, para que integrem o projeto e ofereçam vagas para este público.
Mais sobre o programa
Desenvolvida pela SERT em parceria com a Secretaria estadual de Administração Penitenciária (SAP) e prefeituras, a ação objetiva levar egressos e reeducandos à geração de renda, qualificação profissional e reinserção no mercado de trabalho.
O Programa impulsiona a reintegração social no Estado de São Paulo através de mecanismos para combater a criminalidade ocorrida em razão da falta de oportunidades e do preconceito.
Gabriel Luna
Assessoria de Imprensa da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho