tn_Polícia-Militar-vai-realizaTrabalho será realizado entre os meses de junho e setembro, período de estiagem no município

 

A Polícia Militar vai realizar seis megaoperações com o objetivo de coibir os incêndios florestais entre os meses de junho e setembro, período de estiagem no município. O assunto foi debatido na sexta-feira (19.05), durante a reunião do grupo setorial “Repressão e Fiscalização”, que faz parte do “Plano Inverno”. Participaram do encontro os secretários de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz e de Meio Ambiente, Fred Procópio, além de representantes das Polícias Militar e Civil e de órgãos ambientais.

 

Segundo o procurador da República do  Ministério Público Federal (MPF), Charles Stevan da Mota Pessoa, o trabalho está sendo bem realizado, mas é necessário que as ações sejam efetivas.

 

“O trabalho é muito positivo. É importante que os órgãos demonstrem interesse nesse assunto. Mas para que tudo funcione, todas as ações precisam ser efetivas. Por isso a participação de todos os setores é fundamental”, comentou.

 

Para o secretário de Defesa Civil, as ações da Polícia Militar são importantes, já que é comum o produtor rural usar a queimada na limpeza de terrenos, cultivo de plantações ou formação de pastos.

 

“Essa é uma maneira de evitar que os incêndios florestais aconteçam. Muitos produtores rurais utilizam a queimada para fazer a limpeza dos terrenos, mas essa medida pode tomar proporções perigosas. Grandes queimadas costumam começar dessa maneira”, explicou Paulo Renato Vaz, que solicitou o apoio da Emater-RIO para apresentar soluções alternativas para os agricultores.

 

“Sabemos as queimadas são uma solução rápida e barata de limpeza do terreno. Tão importante quanto reprimir, é oferecer ao produtor rural uma alternativa as queimadas. Por isso, vamos nos reunir com a Emater-RIO para acharmos uma outra possibilidade”, disse.

 

Fred Procópio, secretário de Meio Ambiente, lembrou que as operações da Polícia Militar contra os grupos de baloeiros estão acontecendo, mas que até o momento, ninguém foi preso.

 

“No ano passado, entre junho e setembro, o Linha Verde registrou 75 denúncias na cidade envolvendo grupos de baloeiros, locais de comercialização, fabricação ou soltura de balões. É um número representativo. A Polícia já realizou a primeira operação, mas ninguém foi preso até o momento. O objetivo é coibir além das queimadas, também a soltura de balões”, disse.

 

O comandante do 26º Batalhão de Polícia Militar de Petrópolis, coronel Oderlei Santos Alves, disse que as ações estão sendo organizadas pelo setor de inteligência da Polícia. “O nosso setor de inteligência está organizando as operações contra os baloeiros, assim como vai fazer contra as queimadas. Estamos trabalhando de maneira organizada para coibir essas duas atividades”, explicou.

 

Na quinta-feira (18.05), estiveram reunidos os grupos setoriais “Governança” e “Combate a Incêndios Florestais”. O “Plano Inverno”, que tem o objetivo de organizar o combate aos incêndios florestais que atingem a cidade no período de estiagem, será apresentado no dia 20 de junho, data em que começa o inverno, na Casa dos Conselhos, na Avenida Koeler, 260 – Centro, às 14h.

 

“Estamos trabalhando em conjunto com o Ministério Público, Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, Exército, Aeronáutica, Cruz Vermelha, SAMU, órgãos ambientais e todos os setores da Prefeitura na elaboração do plano. Cada órgão vai assumir as suas responsabilidades em um momento de crise. Esse trabalho de prevenção é fundamental para Petrópolis”, comentou o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

 

 

 

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura de Petrópolis