tn_Secretarias-de-Assistência-Pastas oferecerão atendimentos psicossociais e de prevenção em saúde

 

As secretarias de Saúde e de Assistência Social e Cidadania atuarão integradas para ampliar a abordagem e o tratamento aos pacientes com transtornos mentais ou com vício em álcool e drogas no Sistema Único de Saúde (SUS). Na primeira reunião do grupo, realizada na segunda-feira (15.05), os serviços psicossociais da prefeitura definiram as primeiras ações em conjunto. As pastas atuarão juntas em ações no Consultório na Rua, do CAPS AD – Centro de Atenção Psicossocial em Álcool e Drogas e do Departamento de Saúde Mental. O objetivo é trabalhar, além dos tratamentos e acompanhamentos clínicos, ações de prevenção e promoção em saúde.

 

O Consultório na Rua proporciona assistência médica e odontológica aos moradores em situação de rua do município. Para receber os cuidados, eles são retirados da rua e encaminhados a unidade básica de referência, que fica no Quitandinha. Atualmente cerca de 150 pessoas vivem em situação de rua na cidade. Com o apoio da Assistência será possível traçar um diagnóstico desta população e direcioná-los para tratamento nas Unidades de Saúde Mental..

 

“Nós temos um grande número de moradores que estão em situação de rua com transtornos mentais e problemas com álcool e drogas. E é justamente nestes casos que a Assistência precisa do apoio da Saúde. A nossa integração está em diversos setores e serviços como diretriz passada pelo nosso prefeito, assim garantimos o envolvimento de todos em benefício à nossa população”, avalia Denise Quintella, Secretária de Assistência Social.

 

Durante os atendimentos da equipe do Consultório na Rua identificou-se a necessidade da integração junto à Saúde Mental, uma vez que após o atendimento clínico, muitos pacientes necessitam de acompanhamento psicológico, psiquiátrico ou de tratamento contra vícios em álcool e drogas. O secretário de Saúde, Silmar Fortes, explicou que é importante fortalecer a ação junto aos CAPS AD assim como outras entidades do município.

 

“Essa é uma área onde é fundamental trabalhar em rede de assistência e cuidado devido as questões sociais e de saúde que envolvem o problema. Mas essa integração deve envolver ainda outras secretarias e setores da prefeitura bem como entidades e órgãos da sociedade civil para que possamos enfrentar essa realidade de forma integrada e resolutiva”, explica Silmar Fortes.

 

O Centro de Referência Especializada para População em Situação de Rua (Centro Pop) atende em média 150 pessoas e o NIS - Núcleo de Integração Social abriga em média 70 pessoas – 90% homens na faixa etária de 30 a 50 anos. A coordenadora do Consultório na Rua, Viviane Ramos, afirma que já existe um fluxo de atendimento a esses moradores e com a integração será possível assistir àqueles que ainda não são cadastrados nas instituições.

 

“Nossa população de rua é muito variável, normalmente as equipes do NIS e do Centro Pop nos encaminham os pacientes que necessitam de atendimento clínico. Com a ampliação dos serviços através do apoio da saúde mental, nós poderemos tentar inseri-los nos tratamentos junto aos Caps e assim proporcionar um atendimento mais completo”, disse Viviane Ramos.

 

 

 

 

Coordenadoria de Comunicação Social
Prefeitura Municipal de Petrópolis