‘Mesmo na guerra, há regras que devem ser respeitadas’, enfatiza promotora

Os Policiais Militares são acusados de assassinar os suspeitos Julio Cesar Ferreira de Jesus e Alexandre dos Santos Albuquerque, que estavam deitados no chão durante uma fuga quando foram alvejados. A ação do cabo Fábio de Barros Dias e do sargento David Gomes Centeno foi flagrada por um vídeo amador.

O crime aconteceu no dia 30 de março, por volta das 17 horas, em frente à Escola Municipal Jornalista Escritor Daniel Piza, em Acari, onde a estudante Maria Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos, morreu vítima de uma bala perdida.

A promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho escreveu na denúncia que não pode ser ignorada “a situação de guerra enfrentada diariamente por policiais, pelos moradores das comunidades, trabalhadores (…)”, mas enfatiza que “mesmo na guerra, há regras que devem ser respeitadas”.

Segundo O Dia, a promotora pediu que os agente fossem transferidos do 41ºBPM (Irajá) para outra unidade e que não passem pela área de cobertura do batalhão. Ambos ficam proibidos de participar de atividades operacionais e devem exercer apenas função administrativa. Eles também não são autorizados a se aproximar ou manter qualquer contato com a parentes de testemunhas ou das vítimas.