Defesa CivilAs precipitações intensas dos últimos dias deixaram Petrópolis alerta, mas sem graves ocorrências. Durante três dias seguidos (30, 31/12 e 1º/1) com pancadas de chuvas, a Defesa Civil totalizou 17 ocorrências, sendo a maioria de pedidos de vistoria preventiva e alguns casos de queda de árvores. Na madrugada de quarta-feira (1º/1) para quinta-feira (2/1), houve o maior índice pluviométrico da semana: 75 milímetros em uma hora no Morin, mas sem problemas no bairro.
A Secretaria de Proteção e Defesa Civil manteve durante essas três noites de chuvas toda a equipe à disposição para as intervenções necessárias. Assim, o município virou o ano dando mais uma resposta positiva ao verão: sem vítimas e com a Prefeitura, por meio da Defesa Civil, realizando o primeiro atendimento a todas as ocorrências. Nenhuma sirene precisou ser acionada, já que as chuvas não atingiram o protocolo necessário para se ativar o Sistema de Alerta e Alarme.
“Por causa do bom comportamento do solo das regiões onde houve chuva intensa, não tivemos ocorrências graves. Além disso, o Plano de Contingência de Petrópolis foi acionado, e as equipes de intervenção se posicionaram para reduzir as consequências das chuvas”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, tenente-coronel Rafael Simão.
A ocorrência mais complicada foi em Pedro do Rio, na Rua Paschoal Sagesse, com a queda de uma árvore na rede elétrica no dia 1º de janeiro. A região acabou ficando sem energia até que a concessionária Ampla fizesse os reparos necessários.
Para que o município, assim como aconteceu nos últimos dias, consiga superar as próximas chuvas que cairão em Petrópolis, é preciso que a população também faça sua parte: não jogar lixo nas encostas e nos rios, não construir ou fazer obras sem consultar a Prefeitura, colocar calha nos telhados. Além disso, no caso de chuvas fortes, é fundamental que o morador de área de risco deixe sua casa e vá para locais seguros imediatamente, antes mesmo do acionamento das sirenes.

Ascom PMP