tn_Paulo-Igor--quer--trazer-paPresidente da Câmara visitou Centro de Operações do Rio acompanhado por Bernardo Rossi

Com o objetivo de verificar como funciona o modelo de monitoramento integrado da capital para propor que um projeto semelhante seja adotado me Petrópolis, o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB), esteve no Centro de Operações da prefeitura do Rio para conhecer o sistema, que vem sendo um importante instrumento para nortear a solução de problemas de trânsito, transportes, segurança pública e desastres naturais. Acompanhado pelo deputado estadual licenciado, Bernardo Rossi (PMDB), Paulo Igor conversou com técnicos responsáveis pelo funcionamento do Centro, de onde é possível, com o uso da tecnologia, acompanhar em tempo real, por meio de 560 câmeras, o dia a dia em diferentes pontos do Rio de Janeiro.
“Em Petrópolis, os problemas de mobilidade urbana são latentes. Hoje não temos, por exemplo, controle sobre o sistema de transporte coletivo. Usuários de ônibus reclamam muito sobre atrasos nos horários das viagens e as empresas alegam problemas no trânsito. Com o funcionamento deste sistema integrado as viagens serão monitoradas e o transporte público terá melhorias. Percebemos que muito pouco foi feito até hoje para melhorar as condições do trânsito. A cidade tem câmeras de monitoramento, mas ainda não existe aqui a integração necessária para que a tecnologia seja uma aliada dos cidadãos. É preciso que medidas concretas sejam adotadas”, afirma Paulo Igor, lembrando que hoje a cidade conta com 28 câmeras de monitoramento.
Em funcionamento há quatro anos, o Centro de Operações da Prefeitura do Rio integra 30 órgãos públicos e concessionárias. Ali estão todas as etapas de um gerenciamento de crise, desde a antecipação, redução e preparação, até a resposta imediata às ocorrências como chuvas fortes, deslizamentos, segurança, e acidentes de trânsito.
“Vimos hoje um ótimo exemplo de como a tecnologia bem aplicada, favorece o dia a dia dos moradores de uma cidade. A associação de sistemas com bases de dados, aplicativos e informações, com todas as partes envolvidas tendo acesso a estes dados para a tomada rápida de decisões, agiliza o processo. Será muito positivo para nossa cidade ter um sistema integrado onde é possível monitorar e gerenciar, por exemplo, o trânsito e os transportes públicos para sejam adotadas ações que minimizem os impactos de um acidente que já aconteceu, ou mesmo para que as medidas sejam tomadas para evitar os transtornos, como o fechamento preventivo de ruas em caso de iminência de alagamentos, como vemos acontecer com freqüência em alguns pontos da cidade”, avalia Paulo Igor.
Radares meteorológicos e monitoramento pluviométrico (volume de chuvas) e fluviométrico (volume dos rios), com o auxilio de câmeras que captam imagens em tempo real de rios também são importantes instrumentos para a prevenção aos desastres naturais. “O monitoramento integrado permite a eficiência e em vários setores. É um investimento fundamental para administrar o cotidiano e eventos de crise”, considera Bernardo Rossi.
Paulo Igor e Bernardo Rossi estiveram ainda no Centro Integrado de Comando e Controle, órgão do estado onde é feito o monitoramento das demandas cotidianas, bem como dos grandes eventos e de eventos excepcionais. O prédio de quatro pavimentos abriga diferentes órgãos do Estado, município e governo federal como Polícia Militar, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), do Corpo de Bombeiros e da Polícia Rodoviária Federal. “Em caso de eventos excepcionais, o gabinete de crise é montado aqui e temos todos os envolvidos analisando as informações em conjunto. Com isso, ganhamos agilidade e conseguimos responder de forma mais rápida a todas as demandas”, concluí o assessor da superintendência de comando e controle do CICC, coronel Márcio Magalhães.

Texto: Assessoria
Foto: Divulgação